Segundo o executivo, os chineses e a Enel, da Itália, já mergulharam, no entanto, de cabeça no mercado brasileiro.

Investidores estrangeiros estão no aguardo de resoluções normativas e tributárias para realizar aportes no setor de geração solar no Brasil, afirma o diretor da divisão de energia do departamento de infraestrutura da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Deinfra/Fiesp), Elizeu Lima. Os estrangeiros estão esperando definições normativas e segurança jurídica para investir. A exceção são os chineses e a Enel, da Itália, que já mergulharam de cabeça no mercado brasileiro”, disse durante um encontro de consumidores da Enel, realizado na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Lima entende que o avanço de novas fontes renováveis no Brasil ocorreu com atraso, mas deslanchou num ritmo forte. “É fabuloso. A energia solar cresce muito rapidamente e em dez anos estará cinco ou dez vezes maior que atualmente. Há pressão ambiental da sociedade para que essa mudança ocorra.”

Ele acredita que as discussões no Congresso e na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que a geração distribuída ainda não está amadurecida em termos de normatização. “É necessário resolver impasses e clarear o ambiente para os investimentos.”

Via Bene Energy | Energia solar de verdade.

texto por: portal solar

Leave a Reply

Fale no WhatsApp ao vivo
Enviar mensagem